• #

E-BOOK

EB





capa

I Seminário sobre PICS na APS em Feira de Santana (1: 2021: S474a Feira de Santana, Ba). Anais do Evento, 14 de outubro de 2021 [recurso eletrônico]/André Renê Barboni [editor], Suzi de Almeida Vasconcelos Barboni [curadora] – Feira de Santana: NFSEE, 2021.


SINOPSE:
Relatos de experiência dos trabalhadores da Secretaria Municipal de Saúde e suas intervenções com Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) na Atenção Primária. São onze relatos ilustrativos e muito significativos os quais apontam a necessidade de se difundir as PICS no.municipio. Material produzido em parceria com o Núcleo de Pesquisa e Extensão em Filosofia, Saúde, Educação e Espiritualidade (NFSEE) DSAU UEFS.
Este é um trabalho de pesquisa envolvendo a obra do filósofo evolucionário, Pietro Ubaldi. Um autor que expande o conceito de evolução trazendo-nos não só a sua dimensão material, mas também, a s





3

Os três biótipos terrestres: um exercício de bricolagem com a obra T73 completa de Pietro Ubaldi [recurso eletrônico] / Pietro Ubaldi; André Renê Barboni (organizador). – Feira de Santana: NFSEE, 2021. 422 p.


SINOPSE:

Este é um trabalho de pesquisa envolvendo a obra do filósofo evolucionário, Pietro Ubaldi. Um autor que expande o conceito de evolução trazendo-nos não só a sua dimensão material, mas também, a sua dimensão espiritual. Como bem identificou Carter Phipps no seu livro: “Evolucionários – revelando o potencial espiritual e cultural de uma das maiores ideias da ciência”, esse grupo especial de pensadores evolucionários, que inclui a figura de Pierre Teilhard de Chardin, consegue conciliar Bíblia e Evolução e mostrar que existe uma verdade mais profunda que uma visão curta e limitada dos campos religioso e científico, separados, não consegue alcançar. Pietro Ubaldi, nos convida a dar um salto quântico no nosso trajeto evolutivo rumo à felicidade e esse salto quântico significa adotar o referencial altruísta do justo ao invés de seguir, como a maioria das pessoas, pelo caminho egoísta dos tipos involuídos: forte e astuto. Estes três biótipos, foram os bióticos que Pietro Ubaldi identificou e trabalhou em toda a sua obra de forma coerente e consistente em um admirável sistema filosófico evolucionário. Por que há simplesmente o ente e não antes o nada? É a dúvida que Martins Heidegger considera a questão fundamental da Filosofia. Mas, quando lemos as obras de Pietro Ubaldi, percebemos que há muito mais sentido em se perguntar, nos dias de hoje: Por que há simplesmente o nada e não antes o Ente? Assim, nos valendo dos termos: “forte”; “astuto”; e “justo”, buscamos nos 24 volumes da obra completa de Pietro Ubaldi os parágrafos onde esses termos eram utilizados para se referir aos biótipos ubaldianos. Isso produziu um texto com quase 400 páginas que compõem essa bricolagem. Os parágrafos foram organizados na ordem em que eles aparecem na obra. A princípio, pode-se pensar que este tipo de ação produza um texto sem sentido, um quebra cabeça com partes faltando e peças que não se encaixam direito, mas o resultado final se mostrou coerente. Em parte, talvez, pelo fato de que tal como outros autores da sua época, Pietro Ubaldi escrevia numa máquina de escrever mecânica e com isso existia uma tendência dos parágrafos ficarem grandes. Esses longos parágrafos ajudaram a manter a integridade do pensamento. A leitura deste trabalho, certamente, não substitui a leitura da obra, muito pelo contrário, espera-se que ela seja um estímulo para se empreender tal tarefa e mergulhar nos outros aspectos e conceitos que a obra de Ubaldi nos traz. Um autor que pela via intuitiva de um longo processo de preparação espiritual, empreendido por quem seriamente se comprometeu com o caminho evangélico de Jesus, soube captar nas Noúres (correntes de pensamento superior), as visões, os conceitos e as ideias para alavancar ainda mais o desenvolvimento da humanidade.











caa


Ateliê de Empatia [recursos eletrônico]/André Renê Barboni, Suzi de Almeida Vasconcelos Barboni [organizadores]. - Feira de Santana: Núcleo de Pesquisa e Extensão em Filosofia, Saúde, Educação e Espiritualidade da UEFS / UEFS. 2021.

SINOPSE:

Este livro é fruto da nossa segunda experiência usando metodologia ativa no ensino remoto na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), ERE 2020.1. Como na primeira experiência fizemos uma bricolagem com os textos produzidos pelos nossos alunos, que foram desafiados a criar estórias a partir da realidade pandêmica que vivemos na percepção dos seus personagens, aqui chamados Avatares, num momento vivido durante a crise sanitária provocada pela covid-19 e no contexto da realidade de Feira de Santana, da sua região e da UEFS. Nas nossas aulas, destacamos o papel da empatia que norteia, também, esses trabalhos e lhes dá um traço de união. Não se trata de se fazer um trabalho literário sofisticado ou de um ensaio filosófico primoroso, mas o desafio consiste na autorreflexão para um primeiro passo de autoconhecimento, no exercício da empatia que requer de nós a capacidade de se colocar no lugar do outro, condição fundamental para a boa convivência em comunidade estabelecendo relações pacíficas e harmoniosas e, com isso, vencer a “cultura do ódio”. Este livro é dedicado ao poeta Castro Alves que simboliza o coletivo de autores na sua juventude e inconformação com as injustiças sociais, e a nossa colega professora Maria Lúcia Silva Servo, uma constante apoiadora e incentivadora das nossas iniciativas acadêmicas e um exemplo de pessoa acolhedora e amiga, sempre disposta a ajudar àqueles que a procuram.






capa

Bricolagem com experiências acadêmicas remotas em tempos de covid-19 [recurso eletrônico]/André Renê Barboni, Suzi de Almeida Vasconcelos Barboni [organizadores]. - Feira de Santana: Núcleo de Pesquisa e Extensão em Filosofia, Saúde, Educação e Espiritualidade da UEFS / UEFS. 2021.

SINOPSE:

O processo educativo foi construído com base em metodologias ativas e segundo o referencial espiritualista o qual pressupõe a multidimensionalidade do ser num contínuo desenvolvimento de capacidades e habilidades transcendentais, para o grande ato de reconexão com o Divino.

A fim de registrar esta rica experiência e seus testemunhos em forma de relatos de experiências, propusemos este livro memorial e ao mesmo tempo descritivo. Nele, valorizamos e damos voz aos alunos de graduação que estiveram conosco no Período Letivo Extraordinário (PLE) 2019.2 da UEFS permitindo ampliar a compreensão sobre ensino remoto na Instituição e valorização da curricularização da Extensão.

São relatos de sabedoria e vivências sobre nós mesmos. E assim, o leitor acompanhará alguns capítulos extensos, outros mais objetivos, outros mais técnicos, outros mais singelos, mas que mereceram a mesma atenção e cada um é um pedaço que recolhemos e juntamos aqui nesta colcha de retalhos em forma de livro, compondo esta bricolagem.




naf

El NAF de la UEFS: El apoyo a personas vulnerables ante la crisis social de la pandemia del COVID-19

Artigo: FEIRA DE SANTANA: UN NUDO COMERCIAL AFECTADO POR LA PANDEMIA DEL COVID-19




cata

Ferreira, Daniel; Sampaio, Érica; França, Flávio. Catadores de palavras: reciclando o lixo através da poesia. - Feira de Santana: Edição do autor, 2020.

SINOPSE:

A publicação "Catadores de palavras: reciclando o lixo através da reciclagem" foi desenvolvida pelos bolsistas de extensão do projeto "Implantação da Biblioteca do Dispensário Santana", coordenado pelo professor Flávio França. O material produzido durante a pandemia do novo coronavírus foi desenvolvido com o intuito de promover o debate sobre o lixo e a reciclagem de uma forma mais lúdica e didática. 

Apresentando um viés interdisciplinar, associando a educação ambiental e a literatura, o material escrito por Érica Sampaio, Daniel Ferreira e com ilustrações de Camila Moreira, espera ser muito utilizado nos espaços formais e não formais de educação para estimularem as crianças e jovens não apenas a lerem, mas através de uma leitura consciente serem influenciadas a tomarem atitudes relevantes em relação aos problemas causados pelo lixo, seja em Feira de Santana ou em qualquer outra localidade do país. 

O material encontra-se disponível para download de forma gratuita e é recomendado tanto para estudantes como para professores e educadores atuantes nos mais diversos espaços.


planta
 


Silva, Gabriel Barros da. Silva, Tânia Regina dos Santos. Plantas medicinais e tóxicas da Universidade Estadual de Feira de Santana. 1ª Ed. - Feira de Santana-Ba, 2019.


SINOPSE:

O recurso didático reúne as plantas medicinais e tóxicas ocorrentes no Campus da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), estado da Bahia, e objetiva auxiliar em atividades extracurriculares, extensionistas e aulas práticas de Botânica a serem desenvolvidas na instituição. Estão incluídas no material didático 56 espécies distribuídas em 46 gêneros e 24 famílias botânicas.

O livro inclui nome científico, nomes populares, identificação de usos, possíveis toxicidades, fotos (hábito, partes vegetativas e reprodutivas) e mapa de distribuição individualizado das espécies encontradas. Foram criados pictogramas para sintetizar o conteúdo das partes medicinais e/ou tóxicas das plantas, sendo eles: raízes, cascas, folhas, flores, frutos, sementes, perigo, látex e mucilagem.

As plantas tóxicas estão sinalizadas com o pictograma de perigo ao lado do nome científico, seguidamente da sua descrição de toxicidade. Consta, nas páginas finais do guia, um glossário com os termos médicos que aparecem na descrição. Os autores foram premiados com o 3º lugar na modalidade de bolsistas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB) no Seminário de Iniciação Científica da Universidade Estadual de Feira de Santana (SEMIC) de 2018; e concorreram ao Prêmio Verde do 70º Congresso Nacional de Botânica, ocorrido em 2019.


corpo

Miranda, Eduardo Oliveira. Corpo-território & educação decolonial: proposições afro-brasileiras na invenção da docência. - Salvador: EDUFBA, 2020.


DESCRIÇÃO:

Sentir, viver, mudar: trocar de pele. É em meio a esses imperativos que a obra convida leitoras e leitores a pensar as potencialidades práticas dos estudos decoloniais na educação a partir dos fundamentos afro-brasileiros. Mostrar que é possível reinventar as práticas educativas e, sobretudo, as práticas sociais quando direcionadas aos sentidos para os corpos-territórios. Uma viagem em si para reinventar o mundo. O livro pode ser apresentado como uma fonte de inspiração teórico-metodológica, por levar a pensar o corpo-território como elemento primordial na formação acadêmica, além de agregar componentes raramente mencionados à construção da identidade docente.
Recomendar esta página via e-mail: